A MORTE DE UM SOCIÓLOGO POLONÊS – NELMON J. SILVA JR.

 

ptxjliquido

A MORTE DE UM SOCIÓLOGO POLONÊS

THE DEATH OF A POLISH SOCIOLOGIST

SILVA JR., Nelmon J.1

RESUMO: Sobre a morte de Zygmunt Bauman.
PALAVRAS-CHAVE: Líquida. Crise. Tolerância.
ABSTRACT: About the death os Zygmunt Bauman.
KEYWORDS: Liquid. Crisis. Tolerance.

________________________________________________________________________________________

O óbito de Zygmunt Bauman me remeteu a conclusões passadas; afirmei que para Bauman o mundo é líquido (no sentido de leveza enquanto mobilidade) em razão das relações sociais mudarem constantemente e os homens facilmente a elas adaptarem-se, vez que somos efêmeros/voláteis, características que nos tornam pessoas individualistas, chegando ao ponto de desprezamos quaiquer meios/formas de coerção, inclusive a Justiça. Penso que Bauman nada conceituou, apenas acrescentou plasticidade poética (termo pós-moderninho) aos conceitos de acronia (do grego, sem tempo) e atopia (do grego, sem lugar), utilizados anteriormente na obra de Paul Virilio.

Ainda sobre a obra de Bauman, ele distingue dois tipos de homens, o antigo (prefiro o termo tradicional), chamado pensador; e o moderno, passador, àquele lia por prazer, este apenas repete o que ouve. Creio que o Mundo Líquido rendeu-lhe proveitosos frutos, tanto que escreveu a quadrilogia líquida (Amor; Vida; Medo; e Tempos)2, que em síntese, advogam o saudável diálogo entre os homens, buscando a resolução do conflito fundamental (qual a dose para a resolução da equação segurança x liberdade). Então, concluo que o modelo Baumaniano, objetivamente é outro daqueles modelitos defensivos da tolerância como regra da existência humana (talvez em agradecimento pela receptividade das Universidades estadounidenses, sendo ele um filósofo polonês). Sobre o conceito nuclear, oportuno citar Clóvis de Barros Filho: Tolerância é a forma moral de controlar o ódio; portanto tolerância é a resistência ao ódio para os filósofos das emoções, ou a resistência à dissonância cognitiva para os psicólogos.34

Contrário à liquidez Baumaniana, sublinhei que no período em que a Escola de Frankfurt esteve sediada no terras do Tio Sam, é que convenientemente foi divorciado do ideário Marxismo a economia, e a ele unido a cultura; fundamental à Teoria Crítica, que age através do direcionamento de suas críticas à ordem política e econômica do “mundo administrado”. Essa ordem vigora aos moldes de um aparato tecnológico que, de certa forma, incide na sociedade o seu condicionamento padronizado, homogêneo e, sobretudo, sem a perspectiva de empreender a vida de cada indivíduo de forma autônoma.5 […] Portanto, das inverdades nasceu o modelo Politicamente Correto, o qual, ultima ratio, domina as discussões mundias desde então, sendo hodiernamente travestido sob a estampa da Tolerância.6

Assim argumento, pois há tempos venho chamando a atenção dos leitores para o perverso discurso da tolerância e da aceitação ao politicamente correto, como a exemplo do artigo intitulado Delenda est tolerare!78; portando laconicamente concluo mister reafirmar minha concordância com Slajov Zizek, quando por inúmeras vezes afirma que a tolerância é a responsável pela tirania, terrorismo e opressão.9 Sinceramente espero que a morte do respeitável sociólogo polonês não seja motivo de festejo da promíscua tolerância, convenientemente embutida na sua líquida teoria capitalista.

___

zygmunt_bauman_loucos_sao_apenas_os_rl

1ADVOGADO CRIMINAL ESPECIALISTA EM DIREITO (PROCESSUAL) PENAL, CIBERCRIMES E CONTRATERRORISMO; CIENTISTA E ESTUDIOSO DO DIREITO (PROCESSUAL) PENALCV Lattes: http://lattes.cnpq.br/7382506870445908

1.MANTENEDOR DOS BLOGS CIENTÍFICOS: https://ensaiosjuridicos.wordpress.com http://propriedadeintelectuallivre.wordpress.com/ https://jusbarbarie.wordpress.com/.

2. CIENTISTA COLABORADOR: Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (Portal de e-governo – BR) Glocal University Network (IT) – Universiteit Leiden (ND) – University of Maryland (US) – Comissão Européia (Direcção-Geral de Pesquisa e Inovação – UE).

3. MEMBRO: Centro de Estudios de Justicia de las Américas (CEJA – AL); Instituto de Criminologia e Política Criminal (ICPC); Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas (ABRACRIM); Associação dos Advogados Criminalistas do Paraná – (APACRIMI); International Criminal Law – (ICL – EUA); National Association of Criminal Defense Lawyers (EUA); The National Consortium for the Study of Terrorism and Resposes to Terrorism (START – EUA); e International Center to Counter-Terrorism – The hague (ICCT – HOL); World Intelectual Property Organization (WIPO – ONU).

4. MEMBRO FUNDADOR: Associação Industrial e Comercial de Fogos de Artifícios do Paraná/PR; e AINCOFAPAR (Conselheiro Jurídico), Associação Bragantina de Poetas e Escritores.

5. COLABORADOR DAS SEGUINTES MÍDIAS: www.arcos.org.br www.conteudojuridico.com.br http://artigocientifico.uol.com.br http://www.academia.edu/http://pt.scribd.com/http://www.academicoo.com/ http://www.jusbrasil.com.br/http://pt.slideshare.net/http://www.freepdfz.com/, dentre outras.

6. AUTOR DOS SEGUINTES LIVROS CIENTÍFICOS: Fogos de Artifício e a Lei Penal (2012); Coletânea (2013); Propriedade Intelectual Livre (2013); e Cibercrime e Contraterrorismo (2014).

7. AUTOR DOS SEGUINTES LIVROS LITERÁRIOS: Valhala (1998); Nofretete (2001); e Copo Trincado (2002).

2Em 2003, 2006, 2006, e 2007, respectivamente.

3Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=WO-O7iOL3Q0. Acesso em: 20.08.2016.

4SILVA JR, Nelmon J. Desamor. Disponível em: https://ensaiosjuridicos.wordpress.com/2016/08/29/desamor-nelmon-j-silva-jr/. Acesso em: 09.01.2017.

5Fonte: http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/teoria-critica-seus-principais-pensadores.htm. Acesso em: 22.08.2016.

6SILVA JR, Nelmon J. Quem é o tal Tio Sam?. Disponível em: https://ensaiosjuridicos.wordpress.com/2016/08/23/6512/. Acesso em: 09.01.2017.

7Fonte: https://ensaiosjuridicos.files.wordpress.com/2015/07/delenda-est-tolerare13.pdf. Acesso em: 17.03.2016.

8Fonte: https://ensaiosjuridicos.wordpress.com/2016/03/20/2419/. Acesso em: 09.01.2017.

PARA TER ACESSO AO ARTIGO (.pdf),. CLIQUE SOBRE O LINK:

sociologo_polones